sábado, 4 de fevereiro de 2012

Gralhas e Olhares



Esta manhã, abri o meu blogue e percebi que, desde que nasceu passou por aqui uma multidão. Hoje ultrapassou a fasquia dos duzentos mil. E relendo alguns textos, percebo porque continuo a resistir a escrever directamente em computadores. As gralhas mordem-nos sem escrúpulos as canelas dos dedos. A tecla que não imprime, o pensamento mais veloz do que a pressa das palavras e, depois, os verbos que crescem mal conjugados, as fórmulas gramaticais muitas vezes inadequadas e, acima de tudo, a falta de jeito para lidar com esta máquina que, simultaneamente, é infernal e mágica. Fico sempre impressionado com a facilidade de saberes dos mais jovens sobre os segredos que o computador encerra. Venho da geração da máquina de dactilografar. Hoje é uma peça arqueológica. Continuo fiel á caneta com que aprendi as primeiras letras. Dificilmente serei escolhido para gerir com facilidade os mistérios desta máquina que se nos colou á pele como pastilha elástica á sola dos sapatos. Peço desculpa a quem visita este sítio. Como não sei corrigir, prometo apenas que vou bater as teclas com o cuidado de um pequeno elefante.Até agora, a loja de porcelanas  foi quase toda estilhaçada. E obrigado pela vossa visita. Voltem sempre!

2 comentários:

  1. Caro presidente, não se importe com as gralhas se a intencionalidade das palavras e das ideias levar o tiro certeiro.
    E já agora a minha admiração por não adoptar na sua escrita o malvado Acordo Ortográfico.
    José Albano Silva

    ResponderEliminar
  2. Caro Presidente
    De um outro Concelho que não o meu.
    Agora, e precisamente por causa das gralhas, optei por escrever no word e depois faço uma cópia pra o blog.
    Assim vai tudo ok, mas na realidade o que mais interessa é o sentido das ideias que queremos transmitir.
    Cheguei apenas hoje ao seu blog, porque tive uma notícia (boa) que desconfiava e há muito esperava.
    É uma pessoa por quem nutro muita simpatia.
    Brevemente vamo-nos encontrar e lutar por um grande objectivo comum. Até lá desejo-lhe as maiores felicidades, e conte comigo.
    Cumprimentos
    Teresa Sá-Chaves Simões de Carvalho

    ResponderEliminar