quinta-feira, 7 de julho de 2011

Um Crime contra a soberania do País

O governo anunciou as privatizações impostas pelas negociações com a troyka e no dia seguinte as Agências de 'Rating' começaram a despedaçar a credibilidade (a pouca que restava) das finanças portuguesas. Deixou de ser uma avaliação, pois nem deram tempo a que as medidas que o Governo tem obrigação de implementar fossem efectivadas. Ainda por cima sabendo que o novo Governo está em funções há duas semanas.
Aquilo que se passou é um verdadeiro ataque criminoso contra os interesses de Portugal. Deixou de ser um caso de política e passou a ser um caso de polícia.O golpe é claro, desvalorizar o património nacional, desvalorizar os bancos portugueses, expôr a nossa riqueza aos interesses de quem está por detrás destas Agências.
Sei que existe uma queixa-crime contra estes fulanos na PGR. Sei da ansiedade que procura corruptos, delapidadores das contas públicas, gente sem escrúpulos que enriquece á custa de Portugal e de países mais expostos. Sei que não é dificl fazer prova contra estas Agências. É preciso saber quem lhes paga, quem lhes paga e ao mesmo tempo se aproveita das nossas fragilidades. Pois isto deixou de ser um caso de endividamento ou mais ou menos liquidez. O acordo com a troyka permitiu realizar esse desiderato. Mas pelos vistos, essa canalha, mercenários da especulação, nem isso respeitam. Estes são os verdadeiros bandidos a quem deve ser dada caça implacávelmente e metê-los e cadeia por traição e terrorismo. Terrorismo, digo bem. Estas bombas usadas desta maneira provocam mais danos de que outras bombas que o anti-terrorismo persegue. E é preciso um escândalo. Com a UE de joelhos quando se sabe que esta crise é sobretudo um ataque ao euro para salvar a economia americana, neste momento com a sua dívida soberana nas mãos dos chineses, há muito que a UE deveria ter arranjado alternativas a estes mercenários. Fazer prova e prendê-los. É o maior acto de patrotismo que hoje Portugal merece para se salvar de criminosos sem escrúpulos.

Sem comentários:

Enviar um comentário