terça-feira, 29 de novembro de 2011

Adeus Vitor, até um dia!


Escrevo seis horas depois de me ter despedido de ti. Estavas rodeado por excelentes médicos que fizeram tudo para te salvar e havia desalento nos seus rostos. Teimaste em partir depois de tantos esforços clínicos e mesmo quando te segurei a mão, procurando puxar-te para a Vida, suplicando o teu nome para que regressasses, a Morte omnipotente e silenciosa, levou-te para o lugar do céu onde habitam os homens bons. Mal sabia, no dia em que te convidei para seres vereador na minha equipa, que este mandato seria tão bruscamente interrompido por uma única hora! Uma hora foi suficiente para que se instalasse a dor do teu peito e para que findasse defintivamente. Uma hora!
Quero sublinhar as tuas qualidades de Vereador, a quem Santarém tanto fica a dever, mas as lágrimas que não chorei desde que partiste varrem-me os sentidos e as memórias. Das noites de tensão e sofrimento para que o convento de S.Francisco fosse pedra renascida na nossa cidade. Dos dias de trabalho intenso preparando o Dia de Portugal e de Camões, sem dormirmos, sem comermos, vivos e inteiros respirando a força da Cidade. Das tuas ideias para inventar dinheiro e incrementar iniciativas que fazia nascer do teu amor por Santarém. Dos concertos de órgão, da Rota das Catedrais, dos Pequenos Cantores de S.Francisco, das homenagens a Santareno, do teu investimento tão apaixonado nas hortas sociais, no apoio aos que mais sofrem, orgulhoso da terra que ajudavas a governar com tanto talento como paixão, da amargura perante o contigentes de pobres, cada vez mais pobres, que esta maldita crise tem trazido até nós. Foram tantos dias e tantas noites e, agora, que tudo acabou, sinto que foram tão poucos dias e tão poucas noites que sinto uma pobreza imensa dentro de mim.
Vai ser duro conviver sem o líder apaixonado que dirigia equipas entusiasmadas. Ainda mais duro porque és um dos raros homens que trabalhava com a cabeça e com o coração. Inteligente. Culto. Solidário! Que eras grande para saberes emocionar-te com as pequenas e grandes coisas que realizávamos, que tu realizavas e comigo partilhavas num entusiasmo deslumbrante, indiferente á mediania do pensar que procurava remeter para a mediocridade a força da invenção deste amor sem limites a um povo inteiro.
Perdi outro amigo. Um grande amigo cuja partida me despedaça o coração. Nem Santarém sabe como perdeu um homem de generosidade sem limite,trabalhador sem horas, defensor militante das causas maiores de um concelho tão nobre.
Bastou uma hora! Numa hora que teve um princípio e terminou no infinito. No infinito da tua Matemática que teimavas em recusar que não se confundia com o infinito da minha Metafísica. Esta discussão iremos continuá-la depois, quando nos encontrarmos no Infinito, para voltar a trocar o abraço fraterno do novo e decisivo reencontro. Por agora, deixo a tua mão. Ficas guardado no centro da memória fraterna, entre outros amigos que já partiram, á espera do Tempo semeado de saudade e de tristeza, mas com Santarém eterna na alma e nos sentidos.
Adeus, Vitor Gaspar! Adeus meu breve e intenso companheiro de jornada. S. Francisco, o nosso S.Francisco bem sabia, 'que é morrendo que se vive para a Vida Eterna' e nela, um dia, havemos de nos encontrar!

16 comentários:

  1. Lindo!Comovente e justo tributo a um Homem BOM e solidário, que se empenhou para que esta cidade fosse MELHOR!Era meu vizinho, meu amigo. Vou recordar sempre o seu sorriso, a sua simpatia e a sua boa vontade. Um abraço para ti Vitor, da tua amiga Milocas

    ResponderEliminar
  2. Tive conhecimento por uma Amiga que muito estimo. Não tive a honra de O conhecer. Mas este texto de outra pessoa que muito admiro e estimo chega para me aperceber que partiu alguém que fará muita falta à Comunidade a muitos Amigos e não menos aos Familiares que lhe eram mais queridos. Pêsames sentidos de um Cidadão que gosta muito de quem VALE A PENA.

    ResponderEliminar
  3. Fiquei chocado, porque ainda à hora de almoço o tinha cumprimentado.
    Todos os predicados são poucos para um homem que tinha três metros de altura em caracter,em rectidão,honestidade e empenho.
    Efectivamente um homem a quem dizer não era quase tarefa impossivel.

    Orlando Góis

    ResponderEliminar
  4. A descrição está notavel...
    Vitor, até breve.

    ResponderEliminar
  5. Enquanto estagiárias no gabinete de Ação Social da Câmara Municipal de Almeirim, apresentamos as nossas mais sinceras condolências á família e amigos.

    ResponderEliminar
  6. O nosso contacto fez-se a nível institucional enquanto colaboradora da Santa Casa da Misericórdia de Santarém na área do património. Não quero no entanto deixar de expressar a boa impressão que me deixou enquanto HOMEM da cultura nomeadamente no impulso que deu à projecção dos órgãos de tubos da nossa cidade. Obrigada Vítor.

    ResponderEliminar
  7. Conhecemos o Dr. Vitor Gaspar no inicio de Fevereiro, deste ano, no Convento de S. Francisco, em Santarém, na inauguração da Exposição de Humor – Eugeniaturas. Lamentamos profundamente a sua partida, tão cedo, para o lugar do céu onde habitam os homens bons, como escreve. Todos sabemos que é apenas um até já, até ao nosso reencontro no Infinito. Até lá.
    ( Meu caro Vitor, nesse dia aposto que o vamos fazer rir mais uma vez, até às lágrimas )

    Os Eugénios - Luis Gamelas, Augusto Formigo e Eugénio Moura Inês

    ResponderEliminar
  8. Soube hoje logo pela manhã na escola...fiquei chocada e triste...Que descanse em paz!

    ResponderEliminar
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  10. Continuaremos a trabalhar com a mesma dedicação e entrega para honrar este lider inato Vitor Gaspar!

    ResponderEliminar
  11. Diz-se, amiúde, que os cemitérios estão cheios de gente que se julgava insubstituível e, afinal, que a vida veio mostrar que isso não correspondia à verdade.
    Tenho para mim, como adquirido, que nem sempre os chamados ditados populares têm razão.
    Há pessoas, cidadãos, que certamente fazem mais falta do que outros à Comunidade.
    Pelo teor emocionado que perpassa pelo texto do ilustre presidente da Câmara, que me comoveu vivamente mesmo não conhecendo pessoalmente o falecido, não há dúvidas de que se trata(va)de uma personalidade com predicados raros, daquelas criaturas de Deus que vêm ao mundo para deixarem a sua marca a traço grosso no seio da sociedade. Para, sem que se ponham em bicos dos pés, servirem de exemplo e farol ao comum dos mortais. Foi o caso. Acreditando, como acredito, que o corpo morre e desaparece, mas o espírito, ou a alma como se quiser, permanece algures, este cidadão virtuoso, criador e devotado ao bem comum, continuará a inspirar outros a prosseguirem e trilharem caminhos idênticos, exemplares, sem estarem preocupados consigo mesmo, com o seu umbigo. BEM HAJA !

    ResponderEliminar
  12. Confesso que fico sem jeito quando tomo conhecimento que compatriotas que considero me deixam e, sobretudo quando se tratam de pessoas com as quais partilhei momentos de grande significado pessoal e colectivo. Tive o prazer e a honra de o ter ao meu lado quando comemorámos os 40 anos da CGTP-IN e também no 8º Congresso da USS/CGTP-IN. Um forte e solidário abraço aos Amigos e Familia do dr. Vitor Gaspar.
    Valdemar Henriques

    ResponderEliminar
  13. Irrita-me quando a morte leva alguém. Fico sem saber o que dizer quando ela teima em levar amigos meus. Lembro-me dos tempos da rádio O Ribatejo, lembro-me... de reencontros, mas não me esqueço da simpatia do teu sorriso e da palavras que sempre tinhas de alento. Lembro-me do teu orgulho que vivia no teu olhar no dia em que apresentei "aqui há pena de morte" na «nossa» terra, foi como se fosse na Ribeira. Até logo Vítor.

    ResponderEliminar
  14. Todas as palavras sobre o Homem Bom que foi o Vítor são justas e exatas. Justa homenagem a quem deixou a sua marca no coração de muita gente.
    Até sempre, Vítor.
    ELvira Tristão

    ResponderEliminar
  15. Um último Obrigado de um explicando...por todos os conhecimentos transmitidos na área de Matemática que foram fundamentais não só no secundário, mas serviram de base para todo o meu percurso académico...

    Até sempre, professor Vítor Gaspar.
    João Periquito

    ResponderEliminar